Harry Potter, Downton Abbey E O Castelo Alnwick





Tradução de Paulo Queiroz



O Castelo Windsor é o maior castelo habitado da Inglaterra. Na lista, logo abaixo do Windsor, está o Castelo Alnwick, em Northumberland (um condado do norte da Inglaterra).
O Castelo Alnwick é uma estrela por próprio, tendo ambientado filmes como Robin Hood e Elizabeth. O seu mais famoso papel, entretanto, é o da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts em Harry Potter e a Pedra Filosofal, Harry Potter e a Câmara Secreta e Harry Potter e o Príncipe Mestiço. Além disso, o castelo tem sido usado em programas de televisão, tais como Blackadder e Ivanhoe.
Recentemente Alnwick desempenhou papel como o grande Castelo Brancaster no especial de Natal, em 2014, de Downton Abbey. Desde 1309 o castelo tem sido o lar dos Percys, condes e duques de Northumberland.


Há conflitos de datas relativas à construção do castelo. Os historiadores de Alnwick reivindicam que Gilbert Tyson, um governante normando do final do século XI, foi o primeiro antes dos Vacys assumirem. Os historiadores acreditam, sem dúvida, que outro castelo ficava onde o atual está, visto que o rei Malcom III da Escócia tentou tomá-lo em 1093.
O castelo foi capitulado primeiro, em 1136, pelo rei David I da Escócia.
Aos 13 de junho de 1174, a Batalha de Alnwick começou. William I, rei da Escócia, invadiu a Inglaterra para ajudar na luta da rebelião baronial contra Henrique II. Na batalha de Alnwick, eles capturaram William e a rebelião veio ao fim.
Naquele mesmo ano, no dia 8 de dezembro, capturado por Henrique, William da Escócia não teve outra escolha, senão assinar o Tratado de Falaise. O tratado transformou a Escócia numa possessão feudal da Inglaterra e William e seus nobres juraram obediência a Hernrique II. William teve que entregar vários castelos ao soberano inglês para obter sua liberdade. Em 1189, Ricardo I rejeitou o tratado em troca do financiamento escocês para sua cruzada.
A trama contra o rei Jonh de Eustace de Vesci, senhor de Alnwick, e Robert Fitzwalter, em 1212, compeliu João a ordenar a demolição do Castelo Alnwick e o Castelo de Baynard – este último foi a fortaleza de Filtzwalter. Apesar disto, suas ordens não foram executadas em Alnwick.
A família Percy era de poderosos senhores do norte da Inglaterra. (1341–1408), os Percys divergiram de Ricardo II e compunham o grupo que o destronou. O conde mais tarde desafiou o rei Henrique IV, que, depois de dominar o conde na Batalha de Shrewsbury, seguiu para Alnwick. Em 1403, o castelo foi capitulado sob ameaça de ataque.
A família Percy só ganhou com as guerras da Inglaterra com a Escócia. Henry Percy, primeiro barão Percy (1273–1314), com suas realizações militares engrandeceu a proeminência de sua família no norte inglês. Ele adquiriu a baronia de Alnwick de Bek em 1309. Desde então, Alnwick tem sido mantido pela família Percy, os condes e mais tarde duques de Northumberland.

Estátua de Henry Percy, 1º conde de Northumberland, no Castelo Alnwick.

Em 1345, a família Percy adquiriu o Castelo Warkworth também localizado em Northumberland. Embora Alnwick fosse grandioso, Warkworth tornou-se o lar preferido da família.
Ao longo da Guerra das Rosas, castelos ocasionalmente envolviam-se na batalha, apesar de que o conflito foi majoritariamente centrado no campo. Alnwick foi um de três castelos ocupados por forças lancastrianas em 1461 e 1462.
Sitiado até seu confisco em setembro de 1461 depois da Batalha de Towton, Sir William Tailboys recapitulou o castelo; contudo o renunciou para Lord Hasting, Sir Raphael Grey de Heton e John Howard em julho de 1462.
O rei Edward respondeu com ferocidade e quando o conde de Warwick desembarcou em novembro, a rainha Margaret e Pierre de Brézé, seu conselheiro francês, rapidamente partiram para a Escócia para obter assistência.
Eles organizaram uma força de socorro predominantemente escocesa liderada por George Douglas, quarto conde de Angus, e Brézé e partiram em 22 de novembro. O exército de Warwick liderado pelo hábil conde de Kent e o recentemente perdoado Lord Scales, contrariando notícias, moveu-se para as guarnições famintas.
O resultado seria ver os castelos Bamburgh and Dunstanburgh rapidamente consentir com os termos e rendição. Não obstante, Hungerford and Whittingham agarraram-se a Alnwick até que Warwick teve que desistir quando de Breze e Angus chegaram no dia 5 de janeiro de 1463.
Os Lancastrians negligenciaram uma oportunidade de induzir Warwick para a batalha. Eles escolheram recuar, deixando para trás apenas uma força regular que capitulou no dia seguinte. Alnwick esteve nas mãos lancastrianas por maio de 1463 pela terceira vez desde Towton, iludido por Grey de Heton que enganou o comandante, Sir John Astley. Astley foi trancado e Hungerford voltou ao comando.
Na sequência de vitórias de Montagu na Hedgeley Moor e Hexham, em 1464, Warwick chegou à frente de Alnwick aos 23 de junho e aceitou sua rendição no dia seguinte.
Após a execução de Thomas Percy em 1572, sétimo conde de Northumberland, o Castelo de Alnwick manteve-se desocupado.


A família Percy e os soldados que o habitavam como quartel usaram o castelo com menos frequência na sequência da vistoria de 1567. Resultante da Conspiração da Pólvora e o nono conde seguinte trancado na Torre de Londres, a família Percy ficou geralmente no sul da Inglaterra.
Após a Batalha de Dunbar, 1650, o décimo conde permitiu que os soldados de Oliver Cromwell usassem Alnwick para deter aproximadamente 6 mil prisioneiros de guerra.
Entre 1670 e 1750, o castelo teve sua maior parte reduzida a ruínas. Em 1750, Sir Hugh Percy e sua esposa Lady Elizabeth Percy (o rei George III fá-los-ia duque e duquesa de Northumberland em 1766) retornaram para o castelo e começaram uma grande reforma para converter a guarnição medieval em uma luxuosa residência gótica do século XVIII.
Um século mais tarde, o quarto duque renovou o castelo novamente, trazendo de volta as mais góticas características do primeiro duque e duquesa e convertendo a torre de ménage em uma sala de estado italianizada que ainda existe atualmente.
Hodiernamente, o(a) décimo(a) segundo(a) duque e duquesa de Northumberland ainda residem no castelo e um número de suas torres é aberto ao público como museus ou registros, arquivos e armazenamentos.


 * OKEEFFE, Sean. Harry Potter, Downton Abbey and Alnwick Castle. Londres: Royal Center, 2015. Disponível em: http://royalcentral.co.uk/blogs/history/harry-potter-downton-abbey-and-alnwick-castle-43357
COLABORADORES DO MÊS

Labels